R. N. Sra da Lapa, Nº 298, Lapa - São Paulo, SP | Tel: (11) 3834-6630 | E-mail: nsralapa@uol.com.br

Notícias › 22/04/2020

Papa no Dia Mundial da Terra: o mundo natural é o “Evangelho da Criação”

cq5dam-thumbnail-cropped-1000-563-5

A catequese do Papa Francisco, desta quarta-feira (22/04), realizada na Biblioteca do Palácio Apostólico por causa da pandemia de coronavírus, foi dedicada ao 50º Dia Mundial da Terra.

“Celebramos hoje o 50º Dia Mundial da Terra. É uma oportunidade para renovar o nosso compromisso de amar a nossa Casa comum e cuidar dela e dos membros mais frágeis de nossa família. Como a trágica pandemia de coronavírus está nos mostrando, somente juntos e ajudando os mais frágeis podemos vencer os desafios globais”, disse o Pontífice.

O Papa citou um trecho de sua Encíclica Laudato si’ “Sobre o cuidado da Casa comum” e convidou a refletir sobre a responsabilidade que caracteriza a “nossa passagem nesta terra”. A seguir, Francisco disse:

“Somos feitos de matéria terrestre, e os frutos da terra sustentam a nossa vida. Mas, como o livro do Gênesis nos recorda, não somos simplesmente “terrestres”: também carregamos em nós o sopro vital que vem de Deus. Portanto, vivemos na Casa comum como uma única família humana e na biodiversidade com as outras criaturas de Deus. Como imago Dei, somos chamados a cuidar e respeitar todas as criaturas e nutrir amor e compaixão por nossos irmãos e irmãs, especialmente os mais frágeis, imitando o amor de Deus por nós, manifestado em seu Filho Jesus.

Nova maneira de olhar a nossa Casa comum

Segundo Francisco, “por causa do egoísmo, falhamos em nossa responsabilidade como guardiões e administradores da terra. ‘Basta olhar a realidade com sinceridade para ver que há uma grande deterioração de nossa Casa comum’.” “Nós a poluímos e depredamos, colocando em risco nossa própria vida. Por isso, vários movimentos internacionais e locais foram formados para despertar as consciências”, frisou o Papa que aprecia sinceramente essas iniciativas, reiterando “que ainda será necessário que os nossos filhos saiam às ruas para nos ensinar o que é óbvio, ou seja, que não há futuro para nós se destruirmos o ambiente que nos sustenta”.

Para Francisco, “falhamos em proteger a terra, nossa casa-jardim, e em proteger os nossos irmãos. Pecamos contra a terra, contra o nosso próximo e contra o Criador, o Pai bom que provê a todos e quer que vivamos juntos em comunhão e prosperidade”.

“E como a Terra reage?”, perguntou o Papa, citando um “ditado espanhol que é muito claro nisso, e diz o seguinte:

“Deus sempre perdoa; nós, homens, perdoamos às vezes sim, às vezes não; a Terra nunca perdoa”. A Terra não perdoa: se deterioramos a Terra, a resposta será muito ruim.”

A seguir, o Papa perguntou: Como podemos restabelecer uma relação harmoniosa com a terra e o resto da humanidade?

“Precisamos de uma nova maneira de olhar a nossa Casa comum. Ela não é um depósito de recursos a serem explorados. Para nós, fiéis, o mundo natural é o “Evangelho da Criação”, que expressa o poder criativo de Deus em plasmar a vida humana e em fazer o mundo existir junto com o que ele contém para sustentar a humanidade. A narração bíblica da criação termina assim: “E Deus viu tudo o que havia feito, e tudo era muito bom”.”

Redescobrir o sentido do respeito sagrado pela terra

“Quando vemos essas tragédias naturais que são a resposta da Terra aos nossos maus-tratos, penso: “Se eu perguntar ao Senhor agora o que ele pensa sobre isso, não acredito que ele me diga que é uma coisa muito boa”. “Fomos nós que arruinamos a obra do Senhor”, disse ainda o Papa, acrescentando:

Ao celebrar o Dia Mundial da Terra hoje, somos chamados a redescobrir o sentido do respeito sagrado pela terra, porque não é apenas a nossa casa, mas também a casa de Deus. Daí vem a consciência em nós de estar numa terra sagrada!

O Pontífice frisou que é necessário despertar “o sentido estético e contemplativo que Deus colocou em nós”. Segundo ele, “a profecia da contemplação é algo que aprendemos sobretudo com os povos nativos, que nos ensinam que não podemos cuidar da Terra se não a amamos e não a respeitamos. Eles têm a sabedoria do “bem viver”, do viver em harmonia com a terra”. A seguir, disse:

“Ao mesmo tempo, precisamos de uma conversão ecológica expressa em ações concretas. Como uma família única e interdependente, precisamos de um plano compartilhado para afastar as ameaças contra nossa Casa comum.”

“A interdependência nos obriga a pensar num só mundo, a um projeto comum”. “Estamos conscientes da importância de colaborar como comunidade internacional para a proteção de nossa Casa comum”.

Duas importantes Conferências internacionais

O Papa exortou os que têm autoridade de guiar o processo que levará a duas importantes Conferências internacionais: a COP15 sobre a Biodiversidade, em Kunming, na China, e a COP26 sobre Mudanças Climáticas, em Glasgow, no Reino Unido. Incentivou a organização de ações miradas no âmbito nacional e local, e a dar vida a um movimento popular “de baixo”. “O Dia Mundial da Terra, que celebramos hoje, nasceu assim. Cada um de nós pode dar sua pequena contribuição”, disse ele, citando um trecho da Encíclica Laudato si: “E não se pense que estes esforços são incapazes de mudar o mundo. Estas ações espalham, na sociedade, um bem que frutifica sempre para além do que é possível constatar; provocam, no seio desta terra, um bem que sempre tende a difundir-se, por vezes invisivelmente”.

Francisco concluiu sua catequese, pedindo que “neste tempo de renovação pascal, procuremos amar e apreciar o magnífico dom da terra, nossa Casa comum e a cuidar de todos os membros da família humana. Como irmãos e irmãs, supliquemos juntos o nosso Pai celestial: “Envia o teu Espírito e renova a face da terra”.

Via Vatican News

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *